• Tamanho da letra:
  • -A
  • +A

Início » Cultura & Arte

16.10.2017 | 20:55

 Compartilhe:

No horário nobre da TV, ficamos a falar de poesia

Lançamento do livro Aquarela Poética,de Marcos Antônio

Antônio Galdino - atualização

No horário nobre da TV, ficamos a falar de poesia

Foto: Pedro Santos
Lançamento do livro Aquarela Poética na Casa da Cultura

Lançamento do livro Aquarela Poética na Casa da Cultura

 O horário nobre da TV chama a atenção de todos para as cenas de violência que invadem o mundo, nos atentados, nos muitos que sofrem nos corredores do hospital e até nas novelas que foram criadas com o objetivo de serem entretenimento, diversão.

Foto: Pedro Santos
Poeta Marcos Lima autografa seu novo livro

Poeta Marcos Lima autografa seu novo livro

No mundo que anda assim, um tanto de cabeça para baixo, com os valores da família e da sociedade invertidos ou manipulados por outros interesses, é tempo também de se renovar a alma, deleitar-se com músicas que de fato agradam ao coração e viajar nos versos de uma poesia que chegou antes do crepúsculo da tarde e fez-se presente também nas brumas da noite.

Foto: Pedro Santos
Os escritores Socorro Araújo e Antonio Galdino, da ALPA, no evento do confrade Marcos Antônio

Os escritores Socorro Araújo e Antonio Galdino, da ALPA, no evento do confrade Marcos Antônio

 No sábado, dia 14 de Outubro Rosa, às vésperas do Dia do Professor, a Casa da Cultura de Paulo Afonso abriu as suas portas para receber um pequeno mas atento público. Pessoas de Paulo Afonso, alguns poucos e outros que vieram de Santa Brígida, de Delmiro Gouveia para o lançamento do mais novo livro, o terceiro, do escritor pauloafonsino Marcos Antônio Lima, atualmente morador de Santa Brígida, na Bahia.

ASCOM/PMPA
Amigos do autor e escritores prestigiaram o evento

Amigos do autor e escritores prestigiaram o evento

Eles vieram, algumas dezenas, para ouvirem o escritor e outros escritores amigos, falarem de amor, de ternura, de afago, de abraço, das ruas bonitas e dos recantos históricos de Paulo Afonso, da região, cantados em versos.

É isso! Em pleno sábado, de tantas opções, muitos se encontraram para ouvir e adquirir um livro de poesias, a Aquarela Poética, de Marcos Antônio, que já apresentou seus poemas em dois outros livros: jardim de Árida Poesia e Amor em Versos e Reversos.

Foto: Folha Sertaneja
Pedro Santos conduziu a solenidade

Pedro Santos conduziu a solenidade

Para prestigiar o autor ali estavam o também escritor e professor Antônio Galdino da Silva, presidente da Academia de Letras de Paulo Afonso, a escritora Maria do Socorro Araújo Nascimento, o empresário Sebastião Leandro de Morais, grande apoiador da cultura em Paulo Afonso e a Geógrafa Marta Tavares, vice-presidente do Instituto Geográfico e Histórico de Paulo Afonso – IGH-MSPA, que representava o diretor da Casa da Cultura, escritor João de Sousa Lima que participava de mais uma edição do Cariri Cangaço que se realizava na cidade de Floresta e de que era um dos palestrantes. Eles, com o escritor Marcos Antônio compuseram a mesa dos trabalhos.

Foto: Pedro Santos
Escritor Marcos Antônio

Escritor Marcos Antônio

O cerimonial foi conduzido pelo radialista Pedro Santos e durante algumas poucas horas, os que gostam de poesia puderam esquecer, mesmo que apenas por algum tempo, da violência que destrói, nações inteiras ou apenas grupos de pessoas que de divertiam em um show nas ruas da cidade e foram mortos por um louco dono de um arsenal de armas nos Estados Unidos ou por outro louco que matou muitas crianças de 4, 5 anos, queimadas enquanto estavam em uma creche enquanto seus  pais trabalhavam.

Foto: Pedro Santos
Prof. Manuel, Marcos Antônio e Sebastião Leandro

Prof. Manuel, Marcos Antônio e Sebastião Leandro

 Nesse doce momento de poesia, infelizmente não foi possível esquecer a violência contra a Professora Heley e neste 14 de Outurbro, às vésperas do Dia do Professor, lembramos  que perdeu ela, professora, a sua vida para salvar outras crianças, seus pequenos alunos dessa creche Gente Inocente, em Janaúba, nas terras mineiras.

De fato, o mundo está muito doente, carente de orações e as pessoas precisam e merecem ser envolvidas pela harmonia das palavras dispostas nas frases, falando da Primavera, das caraibeiras que atrasaram a sua floração mas estão chegando, falando da paz de que tanto precisamos, lembrando de um lugar, uma paisagem, um acalanto.

Foto: Pedro Santos
Público no lançamento do livro de Marcos Antônio

Público no lançamento do livro de Marcos Antônio

 O mundo, o rio São Francisco, Paulo Afonso, estão precisando de poesia, de versos e canções, mesmo que os poemas sejam de lamento e dor mas que externem o sentimento, a alma, o coração do sonhador com dias melhores, com o canto mavioso dos pássaros, com a sonoridade das águas cristalinas do riacho, com o verde que emoldura a paisagem, como se fosse um retrato na parede.
Lembrar das muitas águas da grande Cachoeira de Paulo Afonso, hoje “Cachoeira Pouca”, com escreveu o poeta Jotalunas ou “Cachoeira Rouca”, como diz Marcos Antônio...

Foto: Pedro Santos
Público no lançamento do livro de Marcos Antônio

Público no lançamento do livro de Marcos Antônio

 

Neste sábado, dia 14 de Outubro, foi o tempo da poesia enternecer os corações.
E, como foi dito ali, naquele espaço bucólico, a Academia de Letras de Paulo Afonso, a Casa da Cultura, pretendem realizar outros momentos especiais associando os lançamentos de livros de autores pauloafonsinos e da região com recitais, saraus literários, porque o mundo e os homens estão precisando de paz, de amor, de poesia.

Balada da Ilha

“Aqui no cantinho chamado Sertão
Onde outrora fora a Forquilha
Transformada pela metamorfose do progresso...
Hoje és Paulo Afonso, bela, formosa ilha”... (Marcos Antônio Lima)

Enviar por e-mail

Insira até cinco e-mails, separados por vírgula





Deixe um comentário






O comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.