• Tamanho da letra:
  • -A
  • +A

Início » Política

10.05.2017 | 11:00

 Compartilhe:

Usinas: Compensação cai 30% e preocupa gestões

Vice-prefeito Flávio Henrique faz palestra no Paraná

Jornal O Paraná

divulgação
Vice-prefeito Flávio Henrique faz palestra no Paraná

Vice-prefeito Flávio Henrique faz palestra no Paraná

 Medida do governo federal trouxe impacto a municípios que são sedes de usinas ou alagados e dependem economicamente da CFURH (Compensação financeira pela utilização de recursos hídricos). Após revisão do Ministério de Minas e Energia, houve queda de 30% nas tarifas que calcula os pagamentos neste ano. A incoerência foi descoberta por estudo de caso em Paulo Afonso, norte da Bahia. O vice prefeito da cidade Flávio Henrique Magalhães Lima, compartilhou o resultado em fórum promovido na última sexta-feira (5) pela AMUSUH (Associação Nacional dos Municípios Sedes de Usinas e Alagados), na Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná). Conforme o vice-prefeito, historicamente nunca houve uma queda nessa tarifa nacional e isso certamente também trará prejuízos aos municípios do Oeste do Paraná.

"A taxa caiu em uma ordem que é assustadora. É praticamente 1/3 da receita de municípios que precisam muito dessa compensação. Isso faz muita falta e já estamos sentindo impactos”, argumenta Lima. "A CFURH é paga às cidades por usinas hidrelétricas pela exploração dos recursos hídricos e de acordo com a área alagada. A taxa de compensação é realizada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

"Ao solicitar à Agência cópia do processo administrativo que calculou a nova tarifa, o vice-prefeito de Paulo Afonso detectou que a queda está relacionada à decisão do Ministério de Minas e Energias, em 2013, na qual foi autorizada a prorrogação de algumas concessões, especialmente do sistema Eletrobrás. Ela foi condicionada ao tabelamento do preço do megawatt gerado por essa usina e derrubou os valores de uma forma extremamente devastadora. “Agora, todos nós que indiretamente fazemos parte desse sistema elétrico e de alagados estamos começando a sofrer a consequência dessa decisão temerária do governo federal”, lamenta Lima.
União

Para que os municípios, que já sofrem impacto ambientais e sociais permanentes a partir da construção e manutenção de usinas, não tenham prejuízos maiores, Lima sugere união no sentido de cobrar junto à Aneel uma revisão na tarifa. "Unidos podemos chegar até o governo federal com essa demanda. Temos fundamentos jurídicos e técnicos para defender e tentar uma compensação. "Não podemos pagar pela desorganização do setor elétrico brasileiro”, complementa.

Enviar por e-mail

Insira até cinco e-mails, separados por vírgula





Deixe um comentário






O comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.