• Tamanho da letra:
  • -A
  • +A

Início » Opinião

15.06.2017 | 14:06

 Compartilhe:

Sobrevivência do governo Michel Temer

Está difícil arriscar um prognóstico sobre o Governo Temer

Francisco Nery Júnior

Foto do Google
Presidente Michel Temer

Presidente Michel Temer

 

 Sobrevivência do governo Michel Temer

Vamos convir que está muito difícil arriscar um prognóstico sobre o Governo Temer.

Não diríamos que é ilegítimo porque Michel Temer era o vice- presidente de Dilma Rousseff. Para que vice-presidente senão para assumir em caso de impedimento do presidente?

Temer assumiu e logo nomeou uma equipe econômica de reputação inegável. Os primeiros sinais de recuperação da economia, que estava retrocedendo, isto é, cujo PIB estava encolhendo, se fazem notar. São inegáveis: pequeno crescimento do PIB no primeiro trimestre de 2017, vendas no varejo subindo, venda de automóveis crescendo, inflação abaixo da meta do Banco Central, dólar relativamente baixo. Estávamos todos recomeçando a acreditar na capacidade de o Brasil crescer. O país já tinha sobrevido à crise do petróleo, já havia dominado a inflação imoral do fim do século passado, havia, segundo a equipe econômica, "segurado" a sangria - além de imoral, insuportável - do pagamento do serviço da dívida interna.

Foto do Google
Presidente Michel Temer

Presidente Michel Temer

Ufa, dizíamos, Deus voltou a ser brasileiro. Confiamos em nós mesmos. Se os outros crescem ( e sem crescimento não há desenvolvimento), por que não crescemos nós?

Estávamos animados. Começávamos a respirar otimismo. Voltava para nós a esperança - e sabemos que, sem esperança, a vida acaba. Nós nos animávamos e sonhávamos. Berlique-berloque, acordamos do sonho. Acordamos sacudidos pelos escândalos incompreensíveis, tanta a ganância, de políticos e empresários completamente desprovidos de ética ou de moral; de responsabilidade para com a nação. Ficamos sabendo da sangria desumana dos recursos nacionais.

Foto do Google
Presidente Michel Temer

Presidente Michel Temer

 O presidente da República encarna a nação. Pelo menos é o que esperamos. Há que haver uma cabeça no corpo, algo como alguém que possa exercer a unidade de comando, evidentemente alguém de índole ou predisposição democrática em quem possamos confiar.

Eis, porém, que odores nada agradáveis começaram a escapar do mais interior do governo da República. Tramas urdidas na escuridão da noite dentro de escritórios e palácios começaram a ser reveladas. Algumas delas reveladas por gravações que, convenhamos, não nos deixam dúvida que há, sim, algo de errado no Reino do Brasil.

Foto do Google
Presidente Michel Temer

Presidente Michel Temer

Não há fumaça sem fogo, nem mau cheiro sem carniça. Deve haver algo muito errado nas tramas dos nossos representantes. Carece uma mudança radical. Uma reviravolta, um retorno, uma conversão; uma talvez mea culpa de todos os envolvidos.

O perigo é cairmos num grande buraco negro de onde demoraríamos a sair. Poderemos voltar à estaca zero. Oportunistas de plantão, engenheiros de obras prontas, espertalhões ou mesmo os chamados burros ativos poderiam tomar o poder uma vez a confusão estabelecida.

Foto do Google
Presidente Michel Temer

Presidente Michel Temer

 A solução tem que vir dos políticos. São os políticos que têm o privilégio da visão geral; visão de estadismo. Gestores são fundamentais, mas dos políticos se espera capacidade de liderar, compor e agregar. Queremos crer ainda existirem políticos honestos.
Ninguém se arriscou ainda a oferecer uma solução factível. Nenhum brasileiro desponta como um aglutinador neste momento de crise nacional, alguém com capacidade para compor a agregar. Fica com o leitor a oportunidade de se manifestar.
Francisco Nery Júnior

Enviar por e-mail

Insira até cinco e-mails, separados por vírgula





Deixe um comentário






O comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.