• Tamanho da letra:
  • -A
  • +A

Início » Local

09.06.2018 | 14:13

 Compartilhe:

Morre aos 84 anos, o empresário José Rudival, vereador pioneiro de Paulo Afonso

Vereador pioneiro, empresário, venerável da Maçonaria

Antônio Galdino com PA4.COM.BR

Morre aos 84 anos, o empresário José Rudival, vereador pioneiro de Paulo Afonso

Arq. Folha Sertaneja
José Rudival de Menezes

José Rudival de Menezes

 Faleceu na noite desta sexta-feira (08/06), aos 84 anos, vítima de infarto, o empresário José Rudival de Menezes. O empresário estava internado há 15 dias num hospital de Aracaju-SE, mas desde o ano passado vinha enfrentando sérios problemas de saúde, e na sexta-feira (08/06) por volta das 20h, seu coração parou de bater.

O corpo de Zé Rudival foi velado no Centro de Velórios SAF, localizado na Avenida Apolônio Sales. O sepultamento foi às 11 horas do sábado, dia 9, no cemitério Padre Lourenço Tori, no Bairro Centenário.

A história de José Rudival está intimamente ligada à própria história do município de Paulo Afonso que completa 60 anos no dia 28 de Julho.
Desde os primeiros tempos da luta pela emancipação política de Paulo Afonso, José Rudival esteve ao lado do ex-vereador e ex-prefeito Abel Barbosa, sendo um dos filiados do PTB, partido dirigido por Abel e foi o vereador mais votado nas duas primeiras legislaturas da Câmara Municipal de Paulo Afonso, de 1959 a 1962 e de 2963 a 1966 de que participou. Ao concluir o segundo mandato, desistiu de se candidatar.

Arq. Folha Sertaneja
Vereadores da 1ª Legislatura - José Rudival, à direita

Vereadores da 1ª Legislatura - José Rudival, à direita

Na primeira legislatura, José Rudival estava na Câmara ao lado de José Freire da Silva e Luiz Mendes Magalhães, ambos também do PTB e de outros pioneiros como Diogo Andrade Brito, Manoel Pereira Neto, Noé Pereira dos Santos, Lizette Alves dos Santos Dinalva Simões Tourinho, Noé Pires de Carvalho, Adauto Pereira de Souza (Adauto Cearense).

Quando da criação do livro De Pouso de Boiadas a Redenção do Nordeste, José Rudival, ao lado de Diogo Andrade e Manoel Pereira, foram com os autores Antônio Galdino e Sávio Mascarenhas para a Ilha do Urubu e ali deram depoimentos preciosos sobre a história de Paulo Afonso, nos seus primeiros tempos. Para ele, “a emancipação de Paulo Afonso era irreversível”.

No seu primeiro mandato são de especial destaque, dentre outros, dois importantes projetos de sua autoria. O primeiro, o Projeto de Lei Nº 22, de 18 de Abril de 1960, que transferia a feira livre, que funcionou durante mais de 10 anos dentro da área da Chesf, para a Avenida Getúlio Vargas, a Rua da Frente. Essa era uma luta de anos dos moradores da chamada Vila Poty.

Outro projeto de sua autoria, que teve repercussão nacional, fez com que o presidente da República, Jânio Quadros, determinou que a Chesf providenciasse a iluminação da Vila Poty, que até o ano de 1960 estava às escuras. O próprio Rudival narrou esse acontecimento para o jornal Folha Sertaneja em sua edição histórica dos 50 anos da Câmara de Paulo Afonso.

“Antes de 1960 existia um problema em Paulo Afonso de suma gravidade. A cidade, ao lado da Chesf, vivia às escuras. De um lado a Chesf alegava que a cidade deveria ser iluminada pela Codevasf, a mesma alegava que era a Chesf que tinha a obrigação de desenvolver a parte elétrica na cidade e nada disso era feito. Nós vivíamos com as ruas e casas às escuras, totalmente às escuras. Foi quando o presidente Jânio Quadros veio a Paulo Afonso para inaugurar a Usina Hidrelétrica e eu, ironicamente, dei entrada num projeto pedindo para comprar óleo diesel para iluminar Paulo Afonso.
Com a vinda do presidente, a história desse projeto caiu na imprensa e uma agência que não me recordo, pegou a notícia e a publicou em todos os jornais.
Com aquilo o presidente se revoltou e mandou o bilhetinho para o seu ministro mandando-o iluminar Paulo Afonso dentro de 90 dias e isto ocorreu. Paulo Afonso ficou totalmente iluminada, aquelas áreas importantes, dentro de 90 dias, a mando de Jânio Quadros, pela própria Chesf, nós não sabíamos de quem, só sabíamos que estávamos sendo iluminados. Eram os tratores cavando os buracos, eu só sei que a iluminação era por completo. Esse foi um passo grande para o desenvolvimento da nossa cidade nessa época. Não sei se em função disso, o fato é que em 1962 me candidatei novamente e fui eleito como o mais votado do município com 337 votos. A partir de 1966 não mais concorri às eleições”.(Folha Sertaneja Especial - 50 anos da Câmara Municipal de Paulo Afonso - Abril/2009)

Foto: Antonio Francisco (Francisco Imagens)
José Rudival, no lançamento do livro De Forquilha a Paulo Afonso, em Fev/2014,no CPA

José Rudival, no lançamento do livro De Forquilha a Paulo Afonso, em Fev/2014,no CPA

Arq. Folha Sertaneja
José Rudival, venerável da Loja Maçônica União do São Francisco

José Rudival, venerável da Loja Maçônica União do São Francisco

 José Rudival também foi personagem de capa do livro De Forquilha a Paulo Afonso – Histórias e Memórias de Pioneiros e esteve no lançamento deste livro, em Fevereiro de 2014 onde fez empolgado discurso sobre o município de Paulo Afonso que ele viu nascer e ajudou a criar e o seu nível de desenvolvimento naquela data.  Também é personagem do livro ABEL BARBOSA, o inventor de Paulo Afonso (lançamento previsto para 25 de Julho, no CPA).

Um dos mais bem sucedidos empresários locais, pioneiro no ramo cinematográfico na cidade, chegando a administrar por mais de três décadas, três salas de exibição na chamada Vila Poty, hoje Ilha de Paulo Afonso, onde estavam os cinemas São Francisco, Palace e Coliseu e um cinema no Bairro Tancredo Neves, o Cine Regina.

Também investiu no setor de turismo, construindo o Palace Hotel e no ramo de vendas de veículos.
Foi um atuante membro da Loja Maçônica União do São Francisco sendo o seu venerável entre os anos de 1978 e 1979, dez anos depois da fundação desta Loja Maçônica.

Enviar por e-mail

Insira até cinco e-mails, separados por vírgula





Deixe um comentário






O comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.