• Tamanho da letra:
  • -A
  • +A

Início » Opinião

26.01.2019 | 20:23

 Compartilhe:

Quando será que Paulo Afonso vai deixar de viver à sombra da Chesf e da Prefeitura?

Não temos capacidade para empreender fora da caixa?

Por Edson Lucena

do site pa24horas
Empresário Edson Lucena

Empresário Edson Lucena

 Quando será que Paulo Afonso vai deixar de viver à sombra da Chesf e da Prefeitura?
Por Edson Lucena

Somos fronteira entre quatro estados, e com todo potencial a ser explorado, não produzimos nada em escala industrial! Não tem um centro de distribuição de absolutamente nada! Falta articulação política. De nada serve uma secretaria com dez mil nomenclaturas, mas que só serve para fazer o óbvio, e ainda assim sem qualidade técnica. "Turismo, Indústria e Comércio". É muita firula, pois dos três itens da pasta, dois não existem e um depende de pagamentos da PMPA, INSS e Zona Rural. Não existe oxigênio.

Fora isso, somos famosos pelas cachoeiras que não mais existem, pelo bondinho que não mais funciona, e pelas "belezas naturais" que foram construídas pelo homem.
Somos uma farsa?
Somos reféns das tetas dos royalties?
Não temos capacidade para empreender fora da caixa?

Precisamos incentivar a vinda de indústrias para a nossa cidade. Podemos produzir e distribuir, e esses dois, juntos, não é para qualquer lugar.
Como pode uma cidade com tanto potencial - pelo menos a síndrome deste existe - não fazer nada?

Como pode a cidade, em grande parte, viver às custas da Prefeitura, com grande parcela da população pendurada nos cabides do executivo e do legislativo?

O comércio precisa pulsar. A cidade precisa de novos ares, de novos horizontes, de novas e variadas receitas.
É inaceitável que grande parte da população fique à mercê da vontade política do grupo A ou B, grupos esses que só querem "alimentar" os seus, e sobrando migalhas, jogam para os pombos famintos.

Precisamos produzir, precisamos fazer a economia girar sem que para isso a prefeitura esteja presente diretamente na condição de "mamãe".
Paulo Afonso é uma cidade MUITO jovem. E com muito menos de uma década de vida, evoluiu acima da média da maioria dos interiores de mesmo porte. O problema é que esse bum foi proporcionado pela "mamãe Chesf", e essa já fechou as torneiras há muito tempo, e com esse fechamento, estagnou. É hora de declarar independência, de se mostrar capaz, de sair da sombra do fantasma do "potencial", e fazer, de fato, acontecer.

Para o turismo, temos tudo para sermos referência, o maior pólo da região. Nos falta gestão pública e vontade/coragem do privado. Como pode, Paulo Afonso, ser dormitório de quem vai fazer turismo em Canindé? Pior que isso é a nossa cidade ficar vendendo passeios para todas essas cidades vizinhas, simplesmente por falta de opção para os turistas dentro da nossa casa.

Para a produção de alimentos, principalmente frutas, temos grande potencial, mas sempre foi preferível deixar toda essa riqueza de terra e água, somente para a diversão de meia dúzia que desfilam suas lanchas, e constroem suas casas em áreas da Marinha.
Potencial é uma palavra que define Paulo Afonso. Mediocridade é uma palavra que define a realidade do que é feito para se aproveitar esse potencial. (Edson Lucena é empresário em Paulo Afonso)

Enviar por e-mail

Insira até cinco e-mails, separados por vírgula





Deixe um comentário






O comentário será enviado para um moderador antes de ser publicado.


Table has no partition for value 1550840181